Pular para o conteúdo principal

Expulsar os muçulmanos não foi uma boa ideia

No dia 22 de setembro de 1609, a Coroa Espanhola decidiu expular 300 mil muçulmanos. O senhores feudais eram contra, porque esses infelizes eram taxados em  até 40%, bem mais que os cristãos. Os mouros foram escoltados para fora do reino levando só o que pudessem carregar.
O resultado? Demorou quase uns 200 anos para a população das localidades mais atingidas se recuperar. O produto per capita se convergiu relativamente mais rápido (em parte porque o denominador - as capita - caiu).
A história está contada no texto de Chaney e Hornbeck: Economic Dynamics in the Malthusian Era:Evidence from the 1609 Spanish Expulsion of the Moriscos. Até quem não curte a econometria gostará da parte histórica do artigo.

Comentários

Admin. disse…
Oi Leonardo!

Obrigado pela dica, parece ser um belo paper!

Por sinal, você conhece algum trabalho que tente medir os efeitos da expulsão dos judeus da Espanha em 1492 (efeitos na Espanha e/ou nos Países Baixos)?

Valeu! Abraços, Pedro
De nada.
Na North Americal Regional Science Conference de Washington, no ano passado, teve um sobre a Reconquista espanhola. Sobre os judeus, eu não lembro. Se alguém fez, foi o Joachim Voth. Ele tem um bem legal sobre a permanência do antisemitismo.
Pedro Funari disse…
Obrigado!
Pedro Américo disse…
Por outro lado quem recebe os imigrantes pode se dar muito bem. Veja o caso dos Huguenotes na Prússia e na Áfirca do Sul:

Hornung, E. (2014). Immigration and the diffusion of technology: The Huguenot diaspora in Prussia. The American Economic Review, 104(1), 84-122.

Fourie, J. and von Fintel, D. (2014). Settler skills and colonial development: the Huguenot wine-makers in eighteenth-century dutch south africa. The Economic History Review, 67(4):932–963.
Pedro Américo,

valeu pelas dicas. não conhecia!
Se vc quiser, me mande um email que eu te envio o programa da disciplina que eu estou fazendo aqui na ucla.
Pedro Américo disse…
Opa, gostaria muito de receber o programa: pdramericomg[at]gmail.com
Vlw

Postagens mais visitadas deste blog

Capitalismo de compadrio não é um problema cultural

Eu costumo dizer -  um pouco brincando- que "cultura não importa". No caso da discussão sobre o crony capitalism, no entanto, eu falo a sério: a chave está nos incentivos econômicos.
O historiador econômico Stephen Haber resume isso bem na introdução de um livro jóia sobre o assunto. A lógica é a seguinte: em termos ideais, quando há boas instituições, os empresários sabem que não serão expropriados pelo governo. Este taxa todo mundo, ganha o seu, mas não distribui privilégios. Logo, não há sentido em ser amigo do governo,  nem financiar campanhas.
Agora, quando as instituições são ruins e o poder discricionário do governo é grande, surge um dilema. Como o empresário vai investir se sabe que uma hora qualquer as regras podem mudar contra si? Sem investimento, não há o que tributar.  A solução mútua é transformar o governo em sócio de alguns empresários. Assim, cria-se um compromisso crível: o governo não vai passar a perna nas empresas de quem é "amigo" pois tem u…

A regra dos dois desvios

Ao que parece, a regra será a minha maior (e única) contribuição ao Saber Universal. Eu a reproduzi no verbete "Brigas, críticas e debates" do meu magnum opus "Manual de sobrevivência na universidade: da graduação ao pós-doutorado" ( Atualização 2017: O livro está fora do ar porque uma segunda edição, expandida, será publicada em breve). Aí vai:

" "Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois desvios padrãode você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico." Se você não sabe o que é desvio padrão, nenhum problema. Traduzindo: nunca brigue se o adversário for muito melhor ou pior do que você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico. Se o adversário é muito mais inteligente ou conhece muito melhor o assunto, ouça-o com atenção, faça as perguntas relevantes e aprenda. Não é vergonha. Agora, se o sujeito é burro ou ignorante no assunto, o melhor é desconsiderar. Afinal, qual é a…

Colistete e o atraso educacional brasileiro

Ficou ótima a matéria da Revista Piauí com o perfil do Renato Colistete e sobre sua tese de livre-docência (pdf).
Ele é um pesquisador sensacional, gente boa e orientador de 9 entre 10 dos novos pesquisadores em histórica econômica. Já estava no tempo de ele ter reconhecimento de um público mais amplo.
Aproveite e leia o seu blog . Quando a tese estiver on-line, eu aviso.