Pular para o conteúdo principal

Não houve "Reversal of Fortune" no nível subnacional

Foi o que encontraram Maloney e Caicedo em artigo recém aceito no Economic Journal. Os lugares do Novo Mundo que eram "ricos" continuaram assim.
"The Persistence of (Subnational) Fortune 
Using newly collected subnational data, this paper establishes the within country persistence of economic activity in the New World over the last half millennium, a period including the trauma of European colonization, the decimation of native populations, and the imposition of potentially growth inhibiting institutions. High pre-colonial density areas tend to be denser today due to locational fundamentals and agglomeration effects: colonialists established settlements near existing native populations for reasons of labour, trade, knowledge and defence. These areas, identified with pre-colonial prosperity, also tend to have higher incomes today suggesting that at the subnational level, fortune persists."
Versão aberta aqui.

Comentários

Felipe disse…
Obrigado Leo, hope you find the paper of interest!
Great paper! Congratulations!

I've also found no reversal fortune in Brazil between 1872 and 2000 at the level of municipalities. Check out:
http://link.springer.com/article/10.1007%2Fs10109-009-0094-8

Best,
Leo.
Felipe disse…
Cool, thanks for sharing! Seems to be the case in Colombia as well:
https://ideas.repec.org/p/col/000094/012051.html
Abz

Postagens mais visitadas deste blog

Capitalismo de compadrio não é um problema cultural

Eu costumo dizer -  um pouco brincando- que "cultura não importa". No caso da discussão sobre o crony capitalism, no entanto, eu falo a sério: a chave está nos incentivos econômicos.
O historiador econômico Stephen Haber resume isso bem na introdução de um livro jóia sobre o assunto. A lógica é a seguinte: em termos ideais, quando há boas instituições, os empresários sabem que não serão expropriados pelo governo. Este taxa todo mundo, ganha o seu, mas não distribui privilégios. Logo, não há sentido em ser amigo do governo,  nem financiar campanhas.
Agora, quando as instituições são ruins e o poder discricionário do governo é grande, surge um dilema. Como o empresário vai investir se sabe que uma hora qualquer as regras podem mudar contra si? Sem investimento, não há o que tributar.  A solução mútua é transformar o governo em sócio de alguns empresários. Assim, cria-se um compromisso crível: o governo não vai passar a perna nas empresas de quem é "amigo" pois tem u…

A regra dos dois desvios

Ao que parece, a regra será a minha maior (e única) contribuição ao Saber Universal. Eu a reproduzi no verbete "Brigas, críticas e debates" do meu magnum opus "Manual de sobrevivência na universidade: da graduação ao pós-doutorado" ( Atualização 2017: O livro está fora do ar porque uma segunda edição, expandida, será publicada em breve). Aí vai:

" "Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois desvios padrãode você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico." Se você não sabe o que é desvio padrão, nenhum problema. Traduzindo: nunca brigue se o adversário for muito melhor ou pior do que você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico. Se o adversário é muito mais inteligente ou conhece muito melhor o assunto, ouça-o com atenção, faça as perguntas relevantes e aprenda. Não é vergonha. Agora, se o sujeito é burro ou ignorante no assunto, o melhor é desconsiderar. Afinal, qual é a…

Colistete e o atraso educacional brasileiro

Ficou ótima a matéria da Revista Piauí com o perfil do Renato Colistete e sobre sua tese de livre-docência (pdf).
Ele é um pesquisador sensacional, gente boa e orientador de 9 entre 10 dos novos pesquisadores em histórica econômica. Já estava no tempo de ele ter reconhecimento de um público mais amplo.
Aproveite e leia o seu blog . Quando a tese estiver on-line, eu aviso.