Pular para o conteúdo principal

Os três princípios da Escola de Chicago

Disse o Harberger:
 “First, the world is so complicated, so unfathomably complex, that we need theory to make sense of it,”
“Second, theory is useful only to the extent that it helps us predict outcomes.”
“Third, make sure that market forces work. I liken market forces to wind and tides. It’s at your own peril that you try to defy them.” 
Vale muito a pena ler o texto, ver as fotos e o vídeo. Ótima a história de como as carinhas achavam que o multiplicador do gasto do governo era 5, até o Harberger estimar e encontrar 1,1 .
(Dica do Thales Zamberlan, doutorando da USP, que está aqui na UCLA)

Comentários

TZP disse…
1) O Claudio Haddad tietando o Harberger:
https://www.flickr.com/photos/mfichicago/22009331680/in/album-72157659863912262/

2) Triste ver a Mccloskey fazendo perguntas no final da palestra quase sem voz e, aparentamente, não ser homenageada.

3) Levei um susto ao ver a foto do Kevin Murphy (que sempre foi gordinho), parece que está(va) doente.
Não conheço a fundo o trabalho do Harbenger, mas em termos epistemológicos, os dois últimos princípios são problemáticos. Coloco apenas três ponderações sobre cada um deles, sem a menor pretensão de exibir uma crítica perfeita ou profunda.

1) Esse é, em última instância, a finalidade não apenas de uma teorização, mas do trabalho intelectual mais amplo; tecer significados é a expressão mais essencial da lógica discursiva em geral.
2) A ciência "dura" (Prigogine et alii, com forte base popperiana) não trabalha mais com esse tipo de ambição positivista. A Economia permanece como aquele "laggard" preso ao limbo entre as áreas quantitativas e sociais aplicadas. Os estadunidenses são fortemente influenciados por esse esforço de mensuração (a la Cowles Commission). Em termos mais amplos, no entanto, essa perspectiva está sendo subsituída por outra bem menos ambiciosa (mais descritiva? não sei, mas certamente mais ciente do problema humeano da indução).
3) Isso é o retrato da ciência atada com a ideologia. É a stalinização ás avessas da ciência.

Saudações, professor.
Caro TLZ,

1- !!! Legal
2- Acho que tiveram medo de ela ser crítica demais. (A propósito, eu ouvi um "Oh, gosh" baixinho quando ela começou a falar sobre o curso)
3- Tomara que não.

Caro Alvarado,
Obrigado os comentários. Sugiro a "A Metodologia doa Economia Positiva" do Friedman.

Abraços,
Leo
Uma ressalva:
O Thales me apontou que talvez o "Oh Gosh" seja da própria McCloskey, insatisfeita com o estado da própria voz (ela operou e não ficou legal%).

Postagens mais visitadas deste blog

Capitalismo de compadrio não é um problema cultural

Eu costumo dizer -  um pouco brincando- que "cultura não importa". No caso da discussão sobre o crony capitalism, no entanto, eu falo a sério: a chave está nos incentivos econômicos.
O historiador econômico Stephen Haber resume isso bem na introdução de um livro jóia sobre o assunto. A lógica é a seguinte: em termos ideais, quando há boas instituições, os empresários sabem que não serão expropriados pelo governo. Este taxa todo mundo, ganha o seu, mas não distribui privilégios. Logo, não há sentido em ser amigo do governo,  nem financiar campanhas.
Agora, quando as instituições são ruins e o poder discricionário do governo é grande, surge um dilema. Como o empresário vai investir se sabe que uma hora qualquer as regras podem mudar contra si? Sem investimento, não há o que tributar.  A solução mútua é transformar o governo em sócio de alguns empresários. Assim, cria-se um compromisso crível: o governo não vai passar a perna nas empresas de quem é "amigo" pois tem u…

A regra dos dois desvios

Ao que parece, a regra será a minha maior (e única) contribuição ao Saber Universal. Eu a reproduzi no verbete "Brigas, críticas e debates" do meu magnum opus "Manual de sobrevivência na universidade: da graduação ao pós-doutorado" ( Atualização 2017: O livro está fora do ar porque uma segunda edição, expandida, será publicada em breve). Aí vai:

" "Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois desvios padrãode você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico." Se você não sabe o que é desvio padrão, nenhum problema. Traduzindo: nunca brigue se o adversário for muito melhor ou pior do que você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico. Se o adversário é muito mais inteligente ou conhece muito melhor o assunto, ouça-o com atenção, faça as perguntas relevantes e aprenda. Não é vergonha. Agora, se o sujeito é burro ou ignorante no assunto, o melhor é desconsiderar. Afinal, qual é a…

Colistete e o atraso educacional brasileiro

Ficou ótima a matéria da Revista Piauí com o perfil do Renato Colistete e sobre sua tese de livre-docência (pdf).
Ele é um pesquisador sensacional, gente boa e orientador de 9 entre 10 dos novos pesquisadores em histórica econômica. Já estava no tempo de ele ter reconhecimento de um público mais amplo.
Aproveite e leia o seu blog . Quando a tese estiver on-line, eu aviso.