Pular para o conteúdo principal

Ainda o Qualis 2012

Os comentários aqui e no facebook reduziram a minha ignorância. A comissão afirma que baseou a sua classificação em:
De fato, apesar da minha ótima opinião sobre a Papers in Regional Science, a revista tem baixo impacto.
As revistas  internacionais de fora da área tiveram a sua classificação replicada (com um teto em A2). Pelo que eu entendi isso já acontecia, mas se fazia uma redução de um nível nas revistas não econômicas. Assim, como a tal "América Latina Hoy" é A1 em Ciência Política, virou A2 em Economia.
Aí está o problema. Algumas áreas tiveram "inflação de notas" e distribuíram A1 generosamente. E essa inflação contaminou a classificação da Economia.
Alguns pontos:

  • American Journal of Transplantation (Print) está como A1. Ou existe um campo novo da Economia que eu desconheço ou, pelas próprias regras da comissão, ela deveria ser A2.
  • Eu não verifiquei se a classificação dos artigos internacionais no Qualis segue de fato os dois papers. Contudo,  o meu querido  Journal of Economic History está em 53o. na lista Kodrzycki e Yu. Apesar de haver 95 periódicos como A1 e A2, a revista ganhou B1. Enquanto isso, outros periódicos que ficaram atrás nos indicadores de impacto ganharam A1.

Ainda não está tudo claro para mim, mas comecei a entender os critérios. A tarefa da comissão é ingrata e quase que por definição é impossível agradar a todos. Enfim, quanto mais discutirmos o assunto, melhor (eu espero).

Comentários

Anônimo disse…
Oi Monastério,
Realmente não dá para agradar a todos. Mas esse Qualis está muito estranho no mínimo.
Eu proponho discutirmos qual seria o Qualis ideal (esqueça esse Qualis que existe porque é horrível). Pensando nisso, qual seria o papel das nacionais?
Se for considerar o fator de impacto pelo ranking do Ideas/RePEc, a RBE é a melhor revista brasileira, mas com posição 530. Ou seja, se fossemos da banca do Qualis colocaríamos a RBE como B3 ou B4, por exemplo?
É que eu lembro daquele argumento que você também tem que privilegiar (e não focar como é o caso da Qualis atual) as revistas nacionais porque nem sempre é possível produzir algumas evidências para o Brasil que seriam mais interessantes a uma revista brasileira do que a um journal.
Só pensando em um exercício aqui.
Abs.,
Diogo Mendonça

Postagens mais visitadas deste blog

A regra dos dois desvios

Ao que parece, a regra será a minha maior (e única) contribuição ao Saber Universal. Eu a reproduzi no verbete "Brigas, críticas e debates" do meu magnum opus "Manual de sobrevivência na universidade: da graduação ao pós-doutorado" ( Atualização 2017: O livro está fora do ar porque uma segunda edição, expandida, será publicada em breve). Aí vai:

" "Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois desvios padrãode você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico." Se você não sabe o que é desvio padrão, nenhum problema. Traduzindo: nunca brigue se o adversário for muito melhor ou pior do que você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico. Se o adversário é muito mais inteligente ou conhece muito melhor o assunto, ouça-o com atenção, faça as perguntas relevantes e aprenda. Não é vergonha. Agora, se o sujeito é burro ou ignorante no assunto, o melhor é desconsiderar. Afinal, qual é a…

Colistete e o atraso educacional brasileiro

Ficou ótima a matéria da Revista Piauí com o perfil do Renato Colistete e sobre sua tese de livre-docência (pdf).
Ele é um pesquisador sensacional, gente boa e orientador de 9 entre 10 dos novos pesquisadores em histórica econômica. Já estava no tempo de ele ter reconhecimento de um público mais amplo.
Aproveite e leia o seu blog . Quando a tese estiver on-line, eu aviso.

Cuba é mais rica que o Brasil?

Um texto da internet afirma (não vou incluir o link):
"O povo daquela ilha rochosa bloqueada é mais rico que o povo do continente Brasil. Essa é uma realidade chocante e geralmente desconhecida." O autor recorre aos dados do World Bank que realmente mostram Cuba com um PIB per capita (PPP)  de US$20611 contra US$ 15893 do Brasil.
Obviamente essa estimativa está furada. É tão furada que a ONU - ao calcular o IDH- estimou outro valor que até os órgãos oficiais de Cuba acharam mais razoável:
The 2013 HDI value published in the 2014 Human Development Report was based on miscalculated GNI per capita in 2011 PPP dollars, as published in the World Bank (2014). A more realistic value, based on the model developed by HDRO and verified and accepted by Cuba’s National Statistics Office, is $7,222. The corresponding 2013 HDI value is 0.759 and the rank is 69th. A mesma fonte coloca o Brasil como tendo renda per capita de US$ 15175. Ou seja, Cuba tem a metade da renda per capita brasilei…