Pular para o conteúdo principal

Por que o raio gourmetizador atacou? Culpa da bolha imobiliária

Para entender a hipótese, preciso voltar a uma das sacadas mais bacanas da Economia: o Teorema Achian-Allen, ou paradoxo das maças. Eu o expliquei assim em um  capítulo de livro (p.53; pdf gratuito grande):
Custos de transporte podem gerar efeitos curiosos. O teorema de Alchian-Allen (1967) ilumina um desses fenômenos. Esses autores buscaram uma resposta a um mistério econômico: por que em uma região produtora de maçãs são encontradas apenas as de pior qualidade, enquanto as melhores são exportadas? O motivo é simples: como o custo de transporte é o mesmo para maçãs boas ou ruins, o frete torna as maçãs boas mais atrativas. Um exemplo numérico com o caso dos vinhos torna tudo mais claro. Supondo-se que existem dois tipos de vinho: o Château Caro custa $ 50,00 e o Château Vagabundo, $ 5,00. É razoável supor que os custos de transporte são os mesmos para qualquer tipo de vinho; por exemplo, $ 5,00. No local de produção, a relação de preços vinho bom/vinho ruim é de 10 para 1. No mercado consumidor, com frete, a relação de preços passa a ser de 5,5 ($ 55,00/$ 10,00). Ou seja, em termos relativos, o vinho bom fica mais barato no mercado distante do que no local. Portanto, o vinho bom tenderá a ser exportado e o ruim ficará para consumo local. O teorema de Alchian-Allen significa, assim, que uma tarifa fixa leva a uma substituição de bens de pior qualidade pelos de melhor qualidade. Pela mesma lógica, o teorema prevê que, ao pagar pelos serviços de uma babá para ficar com o seu filho, um casal não vai jantar em uma lanchonete barata, e sim em um restaurante mais caro (como o custo de contratar a babá é fixo, a ida à lanchonete ficaria relativamente cara).
O custo de um quiosque ou de uma loja para o vendedor de brigadeiro funciona como um custo de transporte para o vendedor de vinho. Não importa a qualidade do que é vendido, o preço por metro quadrado é o mesmo.  Como o preço dos aluguéis aumentou nos últimos anos, o produto de baixa qualidade* encareceu relativamente frente ao de alta qualidade. Em outras palavras, o brigadeiro gourmet ficou relativamente mais barato frente ao brigadeiro genérico. Os lojistas viram essa oportunidade e aplicaram o raio gourmetizador em tudo.

* "Qualidade" significa que o consumidor pensa que o produto é melhor. Não quero dizer que os produtos "gourmetizados" são objetivamente melhores. (Exceto as paletas mexicanas. Essas todos mundo sabe que são melhores do que os picolés.)




Comentários

Lucas Dantas disse…
Fantástico.
Lucas Dantas disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Obrigado! Alchian e Allen tiveram uma sacada genial mesmo.
felipe disse…
Os frigoríficos pagam menos em animais fêmeas pq tem o mesmo custo operacional em matar machos e fêmeas, mas o macho tem mais carne. O mercado é algo incrível!
Anônimo disse…
Leo,

você conhece algum trabalho que tenha investigado o que acontece com o mercado de terrenos quando estoura uma bolha imobiliária? Fiquei com esta questão em mente esses dias. Gostaria de saber se há alguma transmissão da queda dos preços dos imóveis para os terrenos.
Ué, tem que ter transmissão né? mas não conheço nada empírico.
fábio pesavento disse…
a picanha aqui no sul que diga...

Postagens mais visitadas deste blog

Capitalismo de compadrio não é um problema cultural

Eu costumo dizer -  um pouco brincando- que "cultura não importa". No caso da discussão sobre o crony capitalism, no entanto, eu falo a sério: a chave está nos incentivos econômicos.
O historiador econômico Stephen Haber resume isso bem na introdução de um livro jóia sobre o assunto. A lógica é a seguinte: em termos ideais, quando há boas instituições, os empresários sabem que não serão expropriados pelo governo. Este taxa todo mundo, ganha o seu, mas não distribui privilégios. Logo, não há sentido em ser amigo do governo,  nem financiar campanhas.
Agora, quando as instituições são ruins e o poder discricionário do governo é grande, surge um dilema. Como o empresário vai investir se sabe que uma hora qualquer as regras podem mudar contra si? Sem investimento, não há o que tributar.  A solução mútua é transformar o governo em sócio de alguns empresários. Assim, cria-se um compromisso crível: o governo não vai passar a perna nas empresas de quem é "amigo" pois tem u…

A regra dos dois desvios

Ao que parece, a regra será a minha maior (e única) contribuição ao Saber Universal. Eu a reproduzi no verbete "Brigas, críticas e debates" do meu magnum opus "Manual de sobrevivência na universidade: da graduação ao pós-doutorado" ( Atualização 2017: O livro está fora do ar porque uma segunda edição, expandida, será publicada em breve). Aí vai:

" "Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois desvios padrãode você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico." Se você não sabe o que é desvio padrão, nenhum problema. Traduzindo: nunca brigue se o adversário for muito melhor ou pior do que você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico. Se o adversário é muito mais inteligente ou conhece muito melhor o assunto, ouça-o com atenção, faça as perguntas relevantes e aprenda. Não é vergonha. Agora, se o sujeito é burro ou ignorante no assunto, o melhor é desconsiderar. Afinal, qual é a…

Colistete e o atraso educacional brasileiro

Ficou ótima a matéria da Revista Piauí com o perfil do Renato Colistete e sobre sua tese de livre-docência (pdf).
Ele é um pesquisador sensacional, gente boa e orientador de 9 entre 10 dos novos pesquisadores em histórica econômica. Já estava no tempo de ele ter reconhecimento de um público mais amplo.
Aproveite e leia o seu blog . Quando a tese estiver on-line, eu aviso.