Pular para o conteúdo principal

"Competição, Instituições e o Declínio do Império Português na Ásia" por João Gabriel Ayello Leite

Por que diabos Portugal perdeu seu Império na Ásia?
Aí vai o resumo da dissertação, orientada pelo Bernardo Mueller, da qual eu fui banca nesta segunda-feira na UnB:

"Competição, Instituições e o Declínio do Império Português na Ásia"
João Gabriel Ayello Leite
Os portugueses foram os primeiros europeus a estabelecer uma presença colonial na Ásia, no começo da Idade Moderna, e os últimos a se retirarem do continente. Apesar de sua presença longeva, o auge do poder português na Ásia ocorreu no século XVI. A rapidez e a assertividade com que os portugueses estabeleceram o monopólio sobre a rota marítima pelo Cabo da Boa Esperança e o domínio sobre as rotas comerciais asiáticas mais lucrativas de seu tempo talvez só seja rivalizada pela forma com que foram deslocados pelos seus competidores europeus. As teses tradicionais que procuram explicar o declínio da presença portuguesa na Ásia enfatizam fatores diversos como recursos econômicos, população, cultura e o contexto asiático. Neste trabalho, apresentamos a hipótese de que um dos fatores que contribuiu de forma decisiva para o resultado da competição entre os europeus na Ásia foi a diferença entre as instituições nesses países. No começo da Idade Moderna, Holanda e Inglaterra contavam com as instituições mais adequadas para incentivar empreendedorismo, investimentos e inovações técnicas e gerenciais, as quais permitiram a exploração mais eficiente do comércio colonial com a Ásia. Dessa forma, Portugal, o primeiro Estado moderno, não foi capaz de competir com as Companhias de Comércio, as primeiras corporações modernas.
A dissertação é ainda mais bacana do que sugere o resumo. Ela tem uma sessão econométrica: a variável independente é o número de viagens/tonelagem e tem um monte de controles e variáveis institucionais.
Vejam só que porcaria era a estrutura de governança da Companhia Portuguesa das Índias (1628):
"Na primeira eleição, para colocar a Companhia em prática, a Coroa nomeou todos os diretores. Todos os nomeados, com exceção de um, eram fidalgos da casa real e nenhum deles tinha capital investido na Companhia."
Além disso, quem fosse condenado por heresia, perdia todo o capital investido. Não tinha como dar certo.
Quanto a dissertação estiver on-line, eu posto o link aqui.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Capitalismo de compadrio não é um problema cultural

Eu costumo dizer -  um pouco brincando- que "cultura não importa". No caso da discussão sobre o crony capitalism, no entanto, eu falo a sério: a chave está nos incentivos econômicos.
O historiador econômico Stephen Haber resume isso bem na introdução de um livro jóia sobre o assunto. A lógica é a seguinte: em termos ideais, quando há boas instituições, os empresários sabem que não serão expropriados pelo governo. Este taxa todo mundo, ganha o seu, mas não distribui privilégios. Logo, não há sentido em ser amigo do governo,  nem financiar campanhas.
Agora, quando as instituições são ruins e o poder discricionário do governo é grande, surge um dilema. Como o empresário vai investir se sabe que uma hora qualquer as regras podem mudar contra si? Sem investimento, não há o que tributar.  A solução mútua é transformar o governo em sócio de alguns empresários. Assim, cria-se um compromisso crível: o governo não vai passar a perna nas empresas de quem é "amigo" pois tem u…

A regra dos dois desvios

Ao que parece, a regra será a minha maior (e única) contribuição ao Saber Universal. Eu a reproduzi no verbete "Brigas, críticas e debates" do meu magnum opus "Manual de sobrevivência na universidade: da graduação ao pós-doutorado" ( Atualização 2017: O livro está fora do ar porque uma segunda edição, expandida, será publicada em breve). Aí vai:

" "Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois desvios padrãode você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico." Se você não sabe o que é desvio padrão, nenhum problema. Traduzindo: nunca brigue se o adversário for muito melhor ou pior do que você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico. Se o adversário é muito mais inteligente ou conhece muito melhor o assunto, ouça-o com atenção, faça as perguntas relevantes e aprenda. Não é vergonha. Agora, se o sujeito é burro ou ignorante no assunto, o melhor é desconsiderar. Afinal, qual é a…

Colistete e o atraso educacional brasileiro

Ficou ótima a matéria da Revista Piauí com o perfil do Renato Colistete e sobre sua tese de livre-docência (pdf).
Ele é um pesquisador sensacional, gente boa e orientador de 9 entre 10 dos novos pesquisadores em histórica econômica. Já estava no tempo de ele ter reconhecimento de um público mais amplo.
Aproveite e leia o seu blog . Quando a tese estiver on-line, eu aviso.