Pular para o conteúdo principal

Debates imaginários (que eu sempre ganho)

Amigo imaginário: "Dinamarca tem política industrial, logo o Brasil tem que ter também."
Eu: "Sim, mas e o Myanmar também deve ter?" 
Amigo imaginário: "Não, porque a qualidade do governo lá é muito ruim. Assim é pouco provável que vão conseguir escolher os setores estratégicos ou os 'winners' decentemente. É provável que possíveis benefícios terminem sendo dissipados pela corrupção ou outras distorções."
Eu: "Ah, você percebeu que o recomendável de política industrial depende da qualidade do governo? Com instituições ruins, o melhor é não fazer política industrial e sim colocar as fichas coisas básicas tipo: saneamento, infraestrutura e educação."
Amigo imaginário: "Percebi! Você me convenceu! Como eu aprendo conversando com o você!"
Eu: "Obrigado!"

FIM

 Envie este texto do grande historiador econômico Douglas Irwin para aquele seu amigo que acha que o Chang é a grande referência em política industrial. Vejam este trecho:
... it is unwise to make policy recommendations based on America’s experience a century ago without appreciating the broader institutional context of the U.S. growth experience and its differences from many developing countries today. In the U.S. case, competitive political institutions and limited government prevented policymakers from pursuing highly damaging policies. Governments in developing countries that are unaccountable, or possess unchecked power, can implement policies that have the potential to impose much greater costs on society for much longer periods of time.
Se isso não for suficiente, o texto do Clemens e Williamson explica a mudança na relação entre protecionismo e crescimento ao longo da história.


Comentários

Anônimo disse…
Gosto muito das suas recomendações de bibliografia... Keep'em coming
Anônimo disse…
Hum, esta explicação institucional tem algum fundo de verdade (explicações institucionais tem um fundo de verdade sobre praticamente qualquer coisa, não é mesmo?), mas é muito simplória também. Dizer que as instituições eram "boas" na Coreia, em Taiwan e Cingapura chega a ser uma ofensa à inteligência.
Anônimo disse…
Procure qualquer publicação anglo-americana dos anos 1950 sobre o Leste Asiático e veja o que se pensava sobre as instituições da região pouco antes do início da decolagem.
Claro que tem cara que idealiza as diferenças das instituições. Hoje, eu tou com o Greg Clark: quem medisse a qualidade das instituições da Inglaterra do sex. XVII pela métrica de hoje diria: "putz, aí não vai ter Revolução Industrial" .E teve. Então tem mais coisa importante acontecendo.

Concordo tb que os developmental states da Ásia não eram lá grande coisa institucional no pré-decolagem. Porém: 1) instituições importaram; 2) havia diferença em relação a América Latina.

A prova está na realidade mesmo: uns decolaram; nós patinamos mesmo com montanhas de política industrial.
Hoje seria imprudente, sabendo o quão longe estamos de um hard state, defender:" mais política industrial, agora vai!"

(eu esbarrei em um texto recente em que o cara desencavou um indicador velho de qualidade institucional dos países. se encontrar, posto)
Anônimo disse…
Eu gosto desse blog e do autor, mas só eu acho que esse blog está virando neoliberal, mas a todo custo dizendo que é ciência e não ideologia? Bom, eu penso que não precisa de números/dados para ver que: quem seguiu as políticas do FMI e do Banco Mundial nos anos 80/90/2000 patinaram e quem não seguiu (caso de alguns asiáticos) cresceu.
"Bom, eu penso que não precisa de números/dados para ver que: quem seguiu as políticas do FMI e do Banco Mundial nos anos 80/90/2000 patinaram e quem não seguiu (caso de alguns asiáticos) cresceu"

Ah, precisa sim!
Anônimo disse…
Tá, precisa, concordo, mas queria dizer que é só observar as realidades por exemplo do Brasil, Chile, etc. que seguiram a cartilha FMI e dos asiáticos que não seguiram para chegar a essa conclusão.
Desculpe. Não dá para discutir se você acha que BR e Chile seguiram a cartilha do FMI.
Anônimo disse…
Bom, então acho que a educação no Brasil foi pelo ralo. Sempre pensei que o Brasil e outros países latino americanos seguiram as políticas neo liberalizantes do FMI e do Banco Mundial. Ainda bem que sigo seu blog e leio muito na internet para me corrigir.
Anônimo disse…
Educação = universidade. Não é um comentário irônico não.

Postagens mais visitadas deste blog

Capitalismo de compadrio não é um problema cultural

Eu costumo dizer -  um pouco brincando- que "cultura não importa". No caso da discussão sobre o crony capitalism, no entanto, eu falo a sério: a chave está nos incentivos econômicos.
O historiador econômico Stephen Haber resume isso bem na introdução de um livro jóia sobre o assunto. A lógica é a seguinte: em termos ideais, quando há boas instituições, os empresários sabem que não serão expropriados pelo governo. Este taxa todo mundo, ganha o seu, mas não distribui privilégios. Logo, não há sentido em ser amigo do governo,  nem financiar campanhas.
Agora, quando as instituições são ruins e o poder discricionário do governo é grande, surge um dilema. Como o empresário vai investir se sabe que uma hora qualquer as regras podem mudar contra si? Sem investimento, não há o que tributar.  A solução mútua é transformar o governo em sócio de alguns empresários. Assim, cria-se um compromisso crível: o governo não vai passar a perna nas empresas de quem é "amigo" pois tem u…

A regra dos dois desvios

Ao que parece, a regra será a minha maior (e única) contribuição ao Saber Universal. Eu a reproduzi no verbete "Brigas, críticas e debates" do meu magnum opus "Manual de sobrevivência na universidade: da graduação ao pós-doutorado" ( Atualização 2017: O livro está fora do ar porque uma segunda edição, expandida, será publicada em breve). Aí vai:

" "Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois desvios padrãode você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico." Se você não sabe o que é desvio padrão, nenhum problema. Traduzindo: nunca brigue se o adversário for muito melhor ou pior do que você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico. Se o adversário é muito mais inteligente ou conhece muito melhor o assunto, ouça-o com atenção, faça as perguntas relevantes e aprenda. Não é vergonha. Agora, se o sujeito é burro ou ignorante no assunto, o melhor é desconsiderar. Afinal, qual é a…

Colistete e o atraso educacional brasileiro

Ficou ótima a matéria da Revista Piauí com o perfil do Renato Colistete e sobre sua tese de livre-docência (pdf).
Ele é um pesquisador sensacional, gente boa e orientador de 9 entre 10 dos novos pesquisadores em histórica econômica. Já estava no tempo de ele ter reconhecimento de um público mais amplo.
Aproveite e leia o seu blog . Quando a tese estiver on-line, eu aviso.