Pular para o conteúdo principal

"Inequality and Poverty in Latin America: A Long-Run Exploration"


Leandro Prados apresentou um paper hoje no LSE Economic History Seminar . Sua principal conclusão é que a desigualdade mudou muito nas América Latina durante o século XX. Ele mostra que o grosso do incremento da desigualdade aconteceu no pós II Guerra. Portanto, é equivocada a visão da ALatina como desigual desde sempre. Na verdade, ele mostra que a desigualdade no nosso continente seguiu uma trajetória parecida com a da Espanha até os anos 60, quando tomaram rumos distintos.
(Clique no gráfico acima para ver a evolução do Gini na AL)

Comentários

Marcelo Passos disse…
Interessante.
Talvez a conclusão tenha algo a ver com as ditaduras (rent-seeking incluído), com a queda dos preços da commodities, com a falência do modelo de substituição de importações, o descontrole inflacionário, a falta de investimentos em Educação e Saúde e a total ausência de integração regional (que cardápio, hem!) que ocorreu nas décadas de 60, 70 e 80 aqui na América Latina.
Também não tivemos - porque Deus é latino-americano - nenhuma guerra importante por aqui que refletisse a Guerra Fria.
Sem querer ser ácido na análise, mas nós sabemos os efeitos redistributivos da renda que uma guerra causa.
Japão, Coréia e Espanha talvez não exibissem Ginis tão baixos se não fossem suas piores guerras.
Pô, Leo, você vai acabar me inspirando a escrever um artiguinho sobre história econômica.
Abraço.

PS: sobre Deus ser latino-americano é fato. Mas há sérias suspeitas de que o Diabo é caribenho, mora no Haiti e tira férias em Cuba.
Thomas H. Kang disse…
Aqui é o Thomas do Oikomania, ex-pupilo do seu Pedro Fonseca lá na UFRGS e que agora anda pela USP,

Uma dúvida: caso eu me decida por aproveitar minhas vantagens comparativas em história econômica, há espaço para estudar assuntos como esse do post (pobreza, desigualdade, bem-estar)?

De repente, já falo com o Colistete que veio aqui pra USP.

Abraço
Olah Thomas,
Tudo beleza? Bom ter noticias tuas!
Beleza, rapaz, eu acho que esses assuntos em uma perspectiva historica sao um assunto quentissimo. Veja as coisas do Nicholas Crafts que calculou IDH's historicos de longo prazo. E, claro, fale como Colistete que eh um otimo pesquisador
Abracos,
Leo.

Postagens mais visitadas deste blog

A regra dos dois desvios

Ao que parece, a regra será a minha maior (e única) contribuição ao Saber Universal. Eu a reproduzi no verbete "Brigas, críticas e debates" do meu magnum opus "Manual de sobrevivência na universidade: da graduação ao pós-doutorado" ( Atualização 2017: O livro está fora do ar porque uma segunda edição, expandida, será publicada em breve). Aí vai:

" "Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois desvios padrãode você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico." Se você não sabe o que é desvio padrão, nenhum problema. Traduzindo: nunca brigue se o adversário for muito melhor ou pior do que você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico. Se o adversário é muito mais inteligente ou conhece muito melhor o assunto, ouça-o com atenção, faça as perguntas relevantes e aprenda. Não é vergonha. Agora, se o sujeito é burro ou ignorante no assunto, o melhor é desconsiderar. Afinal, qual é a…

Colistete e o atraso educacional brasileiro

Ficou ótima a matéria da Revista Piauí com o perfil do Renato Colistete e sobre sua tese de livre-docência (pdf).
Ele é um pesquisador sensacional, gente boa e orientador de 9 entre 10 dos novos pesquisadores em histórica econômica. Já estava no tempo de ele ter reconhecimento de um público mais amplo.
Aproveite e leia o seu blog . Quando a tese estiver on-line, eu aviso.

Cuba é mais rica que o Brasil?

Um texto da internet afirma (não vou incluir o link):
"O povo daquela ilha rochosa bloqueada é mais rico que o povo do continente Brasil. Essa é uma realidade chocante e geralmente desconhecida." O autor recorre aos dados do World Bank que realmente mostram Cuba com um PIB per capita (PPP)  de US$20611 contra US$ 15893 do Brasil.
Obviamente essa estimativa está furada. É tão furada que a ONU - ao calcular o IDH- estimou outro valor que até os órgãos oficiais de Cuba acharam mais razoável:
The 2013 HDI value published in the 2014 Human Development Report was based on miscalculated GNI per capita in 2011 PPP dollars, as published in the World Bank (2014). A more realistic value, based on the model developed by HDRO and verified and accepted by Cuba’s National Statistics Office, is $7,222. The corresponding 2013 HDI value is 0.759 and the rank is 69th. A mesma fonte coloca o Brasil como tendo renda per capita de US$ 15175. Ou seja, Cuba tem a metade da renda per capita brasilei…