Pular para o conteúdo principal

"Micro e Macro" por Marcelo Passos

Marcelo Passos é um dos caras mais legais que já conheci. Ele é tão economista que seu cachorro se chama Adam Smith; e é também um carioca exilado. Marcelo mandou a seguinte colaboração que resume bem o momento brasileiro:
"Macro e micro

Risco país no fosso, Bolsa na estratosfera, os menores juros reais da
história econômica recente, recuperação da renda dos mais pobres, retomada
sustentável da atividade industrial.

Crescimento, na comparação internacional, ainda baixo. Inflação controlada.
Câmbio real em queda vertiginosa, mas seguindo a tendência internacional.
Nível expressivo de reservas.

Corrupção galopante. Sistema jurídico que garante a impunidade. Inexistência
de marco regulatório para investimentos em infra-estrutura. Burocracia
perversa. Níveis alarmantes de insegurança pública. Bandalheira geral na
política.

Macroeconomia bem. Microeconomia mal.

O Brasil dá certo no atacado.

E no varejo?

O Rio de Janeiro é realmente lindo olhado do Cristo Redentor...

Marcelo Passos"


Obrigadíssimo!

Comentários

Anônimo disse…
Leonardo:
Eu sou o "cachorro velho que não aprende truque novo" lá do José Paulo Kupfer.
Não sei se você leu meus coments, mas vou resumir:
Sou um gerente de madeireira meio bronco, pragmático por opção e profissão. Meu trabalho é fazer com que produzam o máximo, com a maior qualidade possível e pelo menor custo possível e tenho conseguido até agora. Exportamos 100% de nossa produção - 60% EUA e 40% CE - são pallets, painéis, compensados e gradeados de madeira feitos com toras de pinus de nossas florestas no Vale do Ribeira. A matriz estabeleceu que R$ 1,55 por U$ 1,00 é o nosso limite. Quando chegar a isso fechamos a fábrica e eu mais 180 peões estamos na rua.
Temos custos operacionais enxutíssimos. Conseguimos 1m3. de madeira beneficiada de 3.2 m3. de toras e a média nacional é de 5.5 m3. de toras para 1 de madeira.
Sou um sujeito feliz. Sou pago para fazer o que gosto e a ameaça de deixar meu trabalho é preocupante.
Minha crítica vai aos teóricos, aos gênios de biblioteca que nunca puseram o pé no chão da fábrica e nunca administraram nem o orçamento doméstico e metem-=se estabelecer o que é bom para quem.
Macro é fácil. Nada é identificado e vai tudo para o mesmo saco e normalmente quem avalia o macro está tão longe que nem sabe direito o que é aquilo tudo.. O problemo é a micro. É aí que tem que se mostrar que anos de universidades, MBAs, Yales e Oxfords servem para alguma coisa.

josuetunas@hotmail.com
(para quem nao sabe, esse comentario decorreu de um comentario meu:
http://econominimo.nominimo.com.br/?p=100
)
Obrigado pela visita.
Bom saber que vc trabalha em uma empresa competitiva e eh feliz no que faz. Vc estah preocupado com o seu emprego. E como nunca estudou Economia eh compreensivel que concorde com JPK.
O que eh uma vergonha eh o JPK ache que cada emprego eh sacrossanto e nao entender que o problema no brasil nao eh cambio/juros. Ele deveria entender mais de economia. Nao entende. Quando eu mostro os numeros que refutam as teses erradas dele, ele desconversa. Nao dah para argumentar mesmo. Ele nao pos o peh nem na fabrica, nem na biblioteca.
Abracos e bom trabalho.

Postagens mais visitadas deste blog

A regra dos dois desvios

Ao que parece, a regra será a minha maior (e única) contribuição ao Saber Universal. Eu a reproduzi no verbete "Brigas, críticas e debates" do meu magnum opus "Manual de sobrevivência na universidade: da graduação ao pós-doutorado" ( Atualização 2017: O livro está fora do ar porque uma segunda edição, expandida, será publicada em breve). Aí vai:

" "Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois desvios padrãode você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico." Se você não sabe o que é desvio padrão, nenhum problema. Traduzindo: nunca brigue se o adversário for muito melhor ou pior do que você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico. Se o adversário é muito mais inteligente ou conhece muito melhor o assunto, ouça-o com atenção, faça as perguntas relevantes e aprenda. Não é vergonha. Agora, se o sujeito é burro ou ignorante no assunto, o melhor é desconsiderar. Afinal, qual é a…

Colistete e o atraso educacional brasileiro

Ficou ótima a matéria da Revista Piauí com o perfil do Renato Colistete e sobre sua tese de livre-docência (pdf).
Ele é um pesquisador sensacional, gente boa e orientador de 9 entre 10 dos novos pesquisadores em histórica econômica. Já estava no tempo de ele ter reconhecimento de um público mais amplo.
Aproveite e leia o seu blog . Quando a tese estiver on-line, eu aviso.

Cuba é mais rica que o Brasil?

Um texto da internet afirma (não vou incluir o link):
"O povo daquela ilha rochosa bloqueada é mais rico que o povo do continente Brasil. Essa é uma realidade chocante e geralmente desconhecida." O autor recorre aos dados do World Bank que realmente mostram Cuba com um PIB per capita (PPP)  de US$20611 contra US$ 15893 do Brasil.
Obviamente essa estimativa está furada. É tão furada que a ONU - ao calcular o IDH- estimou outro valor que até os órgãos oficiais de Cuba acharam mais razoável:
The 2013 HDI value published in the 2014 Human Development Report was based on miscalculated GNI per capita in 2011 PPP dollars, as published in the World Bank (2014). A more realistic value, based on the model developed by HDRO and verified and accepted by Cuba’s National Statistics Office, is $7,222. The corresponding 2013 HDI value is 0.759 and the rank is 69th. A mesma fonte coloca o Brasil como tendo renda per capita de US$ 15175. Ou seja, Cuba tem a metade da renda per capita brasilei…