Pular para o conteúdo principal

Livros-texto de Economia Regional

O novo de Roberta Capello é bem bom, mas o do Philip McCann é - sem sombra de dúvida - o melhor livro de Economia Regional disponível.
Mesmo com o dólar barato, o livro do McCann ainda está caro. A alternativa gratuita é o web book: An Introduction to Regional Economics. Apesar de defasado é uma boa introdução ao campo.
Em Português, infelizmente, não existe livro bom. O do Ademir Clemente é péssimo, o da Associação Portuguesa de Desenvolvimento Regional tem alguns capítulos bons, mas tem muitas repetições e é prolixo ao extremo (além do risco de causar afundamento de esterno com suas mais de 900 páginas).

Comentários

Marcelo Passos disse…
Salve Dr. Leo,

Realmente não há nenhum livro sobre Economia Regional de autor brasileiro que tenha qualidade. Mas tem uma tradução que, ao meu modesto ver, é boa. O texto FUJITA, M.; KRUGMAN, P.; VENABLES, A. Economia Espacial: Urbanização, prosperidade econômica e desenvolvimento humano no mundo. Ed.Futura, 2002.
A edição original foi publicada em 1999 pelo MIT.
Das quatro partes em que se divide o texto, três são sobre Economia Regional. São treze capítulos curtos que talvez possam oferecer ao leitor uma boa introdução sobre o tema.
Digo talvez porque você é muito mais qualificado do que eu para opinar sobre este assunto.

Abraço.

Marcelo.
Po, Marcelo, o livro do Krugman e turma deve ser bom. O problema eh entende-lo. Eh dificil pra diabo! Eu realmente nunca consegui entende-lo.
Eu fiz um breve comentario sobre ele aqui:
http://lmonasterio.blogspot.com/2007/04/livros-texto-de-nova-geografia-econmica.html
Anônimo disse…
Leo,

relendo meu post, peço desculpas se pareci pedante.
É que confesso que foi o único livro de Regional que li.
E, posto que único, gostei dele (até por falta de outras referências).
O texto não é introdutório, como afirmei (outro motivo para desculpar-me).
Mas é que é o único bom livro de Regional publicado no Brasil.
Pelo menos até sair o seu...
Grande abraço do amigo,

Marcelo.
Marcelo, nao pareceu pedante nao! E valeu lembrar do livro.
Prof Paulo disse…
"Não tá morto que peleia", já diriam os gaudérios de Pelotas. Que bom encontrar um canal de comunicação contigo meu amigo.
Estou lecionando Regional e realmente, para graduação, alunos que não leêm na língua do Tio San, é precário o acervo de Regional nestas paragens tupiniquins. Resultado, misturei o Clemente, o Polese e o Swartzaman numa apostila e assim, aos poucos, estou desenvolvendo um livro de Regional, mas, com muitas ressalvas, é coisa para iniciantes mesmo, alunos de faculdades particulares com média cognição e que se frustram com materiais muito complexos e desvinculados da realidade econômica que os envolve.
Assim pretendo, até o final do ano, ter um material honesto e low price para o público alvo em questão.
Abraços meu grande companheiro do MST.
Ex-Chefe Supremo
Paulo Vagner

Postagens mais visitadas deste blog

A regra dos dois desvios

Ao que parece, a regra será a minha maior (e única) contribuição ao Saber Universal. Eu a reproduzi no verbete "Brigas, críticas e debates" do meu magnum opus "Manual de sobrevivência na universidade: da graduação ao pós-doutorado" ( Atualização 2017: O livro está fora do ar porque uma segunda edição, expandida, será publicada em breve). Aí vai:

" "Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois desvios padrãode você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico." Se você não sabe o que é desvio padrão, nenhum problema. Traduzindo: nunca brigue se o adversário for muito melhor ou pior do que você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico. Se o adversário é muito mais inteligente ou conhece muito melhor o assunto, ouça-o com atenção, faça as perguntas relevantes e aprenda. Não é vergonha. Agora, se o sujeito é burro ou ignorante no assunto, o melhor é desconsiderar. Afinal, qual é a…

Colistete e o atraso educacional brasileiro

Ficou ótima a matéria da Revista Piauí com o perfil do Renato Colistete e sobre sua tese de livre-docência (pdf).
Ele é um pesquisador sensacional, gente boa e orientador de 9 entre 10 dos novos pesquisadores em histórica econômica. Já estava no tempo de ele ter reconhecimento de um público mais amplo.
Aproveite e leia o seu blog . Quando a tese estiver on-line, eu aviso.

Cuba é mais rica que o Brasil?

Um texto da internet afirma (não vou incluir o link):
"O povo daquela ilha rochosa bloqueada é mais rico que o povo do continente Brasil. Essa é uma realidade chocante e geralmente desconhecida." O autor recorre aos dados do World Bank que realmente mostram Cuba com um PIB per capita (PPP)  de US$20611 contra US$ 15893 do Brasil.
Obviamente essa estimativa está furada. É tão furada que a ONU - ao calcular o IDH- estimou outro valor que até os órgãos oficiais de Cuba acharam mais razoável:
The 2013 HDI value published in the 2014 Human Development Report was based on miscalculated GNI per capita in 2011 PPP dollars, as published in the World Bank (2014). A more realistic value, based on the model developed by HDRO and verified and accepted by Cuba’s National Statistics Office, is $7,222. The corresponding 2013 HDI value is 0.759 and the rank is 69th. A mesma fonte coloca o Brasil como tendo renda per capita de US$ 15175. Ou seja, Cuba tem a metade da renda per capita brasilei…