Pular para o conteúdo principal

Prêmio Eço, uma síntese

José Paulo Kupfer se supera na coluna de hoje. Meu trecho predileto:
"Quem pode, a não ser uma política industrial moderna, promover a inovação e o desenvolvimento tecnológico do parque produtivo?"

Leitor, por favor, leia a íntegra da obra e comente lá mesmo. Assim, potenciais leitores não-economistas do Nominimo terão um contra-ponto. (Eu sempre penso no dano que um texto como esse faz na mente do leitor de 16 anos, interessado em Economia, e que nao sabe separar o joio do trigo. Eu fui dessas vítimas.)

Comentários

Anônimo disse…
Escrito lá:

"O problema da política industrial é que, no tempo 0, o estoque de recursos politicamente mobilizáveis (como orçamento) da economia é dado. Ao se determinar uma política industrial, se escolhe que alguns setores vão receber incentivos, e, como o estoque inicial de recursos (como, por exemplo, orçamento) é dado, escolher vencedores significa também escolher perdedores. Por exemplo, dizer que fabricantes de semicondutores vão receber apoio significa que recursos serão extraídos, digamos, da indústria de farmacêuticos. Se o burocrata tivesse informação perfeita e fosse imune à pressão política, essa poderia até ser uma estratégia viável. Infelizmente, o burocrata não tem informação perfeita (e ninguém tem) e é politicamente sensível. Assim, poderíamos esperar que eles fossem influenciados por setores mobilizados, que, não necessariamente são os mais capazes de aumentar o bem estar público (tendo se alguma medida de "bem estar" e de "público"). No caso clássico do Japão, parece que eles escolheram os "vencedores" errados (mineração e agricultura), taxando, para isso, setores como indústria, na qual o Japão viria a se destacar. Tal fato pode ser explicado pela decadência dos setores de recursos naturais, que são escassos no Japão, e que foram capazes de capturar os burocratas e os políticos responsáveis pela definição de política industrial. (NOLAND ,http://www.petersoninstitute.org/publications/wp/wp07-4.pdf) Isso no Japão, onde corruptos se suicidam.
Imagine o que seria uma (outra, além da dos militares) política industrial no Brasil. Seria a festa do rent-seeking!
Além disso, deixar que a sociedade como um todo, através do conhecimento limitado de cada um, definir organicamente o que funciona ou não ("ordem emergente") é uma confissão de humildade. No caso brasileiro, é de se esperar que cada empresário e cada consumidor, agindo descentralizadamente, no final consigam mobilizar mais conhecimento do que, digamos, trinta pessoas num comitê que responde, digamos, a gente como Maluf e Jader Barbalho.
Eu acho que o povo brasileiro é melhor que os seus políticos. Defender uma política industrial é dizer o contrário."

Via Gustibus
andre kenji disse…
Francamente, não consegui entender o que o Kupfer quer dizer... :P Com um especialista em economia assim, não é a toa que portal esteja indo à falência.

Postagens mais visitadas deste blog

A regra dos dois desvios

Ao que parece, a regra será a minha maior (e única) contribuição ao Saber Universal. Eu a reproduzi no verbete "Brigas, críticas e debates" do meu magnum opus "Manual de sobrevivência na universidade: da graduação ao pós-doutorado" ( Atualização 2017: O livro está fora do ar porque uma segunda edição, expandida, será publicada em breve). Aí vai:

" "Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois desvios padrãode você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico." Se você não sabe o que é desvio padrão, nenhum problema. Traduzindo: nunca brigue se o adversário for muito melhor ou pior do que você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico. Se o adversário é muito mais inteligente ou conhece muito melhor o assunto, ouça-o com atenção, faça as perguntas relevantes e aprenda. Não é vergonha. Agora, se o sujeito é burro ou ignorante no assunto, o melhor é desconsiderar. Afinal, qual é a…

Colistete e o atraso educacional brasileiro

Ficou ótima a matéria da Revista Piauí com o perfil do Renato Colistete e sobre sua tese de livre-docência (pdf).
Ele é um pesquisador sensacional, gente boa e orientador de 9 entre 10 dos novos pesquisadores em histórica econômica. Já estava no tempo de ele ter reconhecimento de um público mais amplo.
Aproveite e leia o seu blog . Quando a tese estiver on-line, eu aviso.

Cuba é mais rica que o Brasil?

Um texto da internet afirma (não vou incluir o link):
"O povo daquela ilha rochosa bloqueada é mais rico que o povo do continente Brasil. Essa é uma realidade chocante e geralmente desconhecida." O autor recorre aos dados do World Bank que realmente mostram Cuba com um PIB per capita (PPP)  de US$20611 contra US$ 15893 do Brasil.
Obviamente essa estimativa está furada. É tão furada que a ONU - ao calcular o IDH- estimou outro valor que até os órgãos oficiais de Cuba acharam mais razoável:
The 2013 HDI value published in the 2014 Human Development Report was based on miscalculated GNI per capita in 2011 PPP dollars, as published in the World Bank (2014). A more realistic value, based on the model developed by HDRO and verified and accepted by Cuba’s National Statistics Office, is $7,222. The corresponding 2013 HDI value is 0.759 and the rank is 69th. A mesma fonte coloca o Brasil como tendo renda per capita de US$ 15175. Ou seja, Cuba tem a metade da renda per capita brasilei…