Pular para o conteúdo principal

"O discreto perfil acadêmico dos economistas" Prof. Meneghini

Síntese na Folha. Texto completo (em inglês).
"O prestígio internacional de economistas junto à comunidade leiga é significativamente superior ao dos cientistas e acadêmicos de outras áreas do conhecimento. Os economistas brasileiros não são uma exceção. Um ponto que chama a atenção é que os economistas de maior prestígio internacional, aqueles que aparecem frequentemente na mídia leiga, são também altamente reputados no ambiente acadêmico. O prestígio junto aos leigos pode ser medido pela presença na mídia e por consultas à opinião pública, enquanto que o prestígio acadêmico pode ser avaliado através de bases de dados de indicadores de publicações e citações de artigos acadêmicos. Um destes indicadores que se tornou frequentemente utilizado é o índice-h, que mede simultaneamente publicações e citações. Um achado relevante foi que, para economistas internacionais, tanto o prestígio entre os leigos como o entre os acadêmicos são elevados e, aparentemente, mutuamente dependentes. Entre os economistas nacionais o prestígio entre os leigos não é acompanhado pelo prestígio acadêmico. Este é significativamente baixo, a despeito de que seus currículos frequentemente denotam títulos de doutor por universidades internacionais de excelência. Os dados apesentados indicam uma baixa intensidade de vida acadêmica nas universidades brasileiras."
O professor Meneghini (lattes impressionante!)  levanta questões relevantes, mas o trabalho deve ser visto como uma primeira abordagem, um conjunto de hipóteses, com evidência empírica meio capenga. Tem coisa estranha, como listar os ministros que não tiveram formação em Economia (Ele inclui o MH Simonsen na lista ?!?! E ele não conta também que a pós-graduação de qualidade em Economia é recente no Brasil.)
Meu pitaco irresponsável: os ganhos para as estrelas são bem maiores fora da academia no Brasil do que dentro (mesmo quando comparado com outros países). Como não há grande diferença salarial aqui, uma penca de estrelas foi para o setor privado e não participa diretamente da academia. (Sim, existem as exceções). Enquanto isso, Harvard paga um caminhão de dinheiro para os "Mankiws" lá permanecerem e continuarem produzindo.

Comentários

vnc disse…
Tecerei (ainda mais) longos comentários assim que puder. Mas, numa primeira passada de olho, temos: (i) seleção (os que ficam e se destacam nos EUA estão no topo da distribuição. Os que voltam, não), (ii) seleção (é muito impirtante, por isso repito), (iii) sendo capital humano escasso em terras tupiniquins, pode-se exercer opções de fora rentáveis muito cedo na carreira (os Cruzado-boys foram para a iniciativa privada em altas posições com 30 e poucos): menos talento (seleção) e menos esforço (alocação de tempo em outras coisas) => pior desempenho; (iv) função de produção em Economia é distinta da de Biologia. Um biólogo é um executor de projetos e gerente de RH (vários alunos e pós-docs). Um economista é meio que ele com ele (assim como os matemáticos. Avila é um assobro da natureza, não vale como contra-exemplo). Isso + processo demorado de publicação (o JM paper de minha orientadora -- algo bem sucedida. BC Medal e tal -- demorou 10 anos para ser publicado...)+ opções de fora talvez justifiquem variação entre áreas no Brasil, mesmo supondo que a questão de seleção seja a mesma.

Agora, (i) por que caralho o cara foi falar de economistas? (ii) genial que se sacaneie alguns ditos genios da raça nominalmente...

Abraço,

vnc
Eu acho que vc fechou os fronts que estavam abertos.
Agora quanto aos teus pontos. Eu acho que (ii) responde a (i). O cara é hiperprodutivo, uma tremenda trajetória e fica p* pq economistas não produtivos sejam tratado como celebridades.
Anônimo disse…
O currículo do cara é realmente impressionante, mas, embora o ponto não seja exatamente esse, a produção em economia tem características muito particulares. A academia econômica no Brasil fez consideráveis avanços nas ultimas décadas, mas no mundo todo é natural que os caras com prestigio sejam os mais velhos na profissão, estes ainda filhos de uma academia de décadas atras. Em alguns anos certamente estarão nos jornais os caras mais produtivos (isso já rola em alguma medida).
Aqui a pagina de citações do Meneghinihttp://scholar.google.com.br/citations?user=q8vky2oAAAAJ&hl=pt-BR


e do Bresser http://scholar.google.com.br/citations?user=8vPanUMAAAAJ&hl=pt-BR
Valeu pelo linkRafael. Tá, mas as duas produções do Bresser mais citadas são livros, né?
Sophi/Editora Juruá disse…
Boa tarde,
Meu nome é Sophi, trabalho no departamento de divulgação da Juruá Editora e gostaria de lhe fazer uma proposta de parceria. Caso tenha interesse em saber mais detalhes, peço a gentileza de que entre em contato no e-mail divulgacao@jurua.com.br.
Agradeço a atenção.

Postagens mais visitadas deste blog

A regra dos dois desvios

Ao que parece, a regra será a minha maior (e única) contribuição ao Saber Universal. Eu a reproduzi no verbete "Brigas, críticas e debates" do meu magnum opus "Manual de sobrevivência na universidade: da graduação ao pós-doutorado" ( Atualização 2017: O livro está fora do ar porque uma segunda edição, expandida, será publicada em breve). Aí vai:

" "Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois desvios padrãode você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico." Se você não sabe o que é desvio padrão, nenhum problema. Traduzindo: nunca brigue se o adversário for muito melhor ou pior do que você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico. Se o adversário é muito mais inteligente ou conhece muito melhor o assunto, ouça-o com atenção, faça as perguntas relevantes e aprenda. Não é vergonha. Agora, se o sujeito é burro ou ignorante no assunto, o melhor é desconsiderar. Afinal, qual é a…

Colistete e o atraso educacional brasileiro

Ficou ótima a matéria da Revista Piauí com o perfil do Renato Colistete e sobre sua tese de livre-docência (pdf).
Ele é um pesquisador sensacional, gente boa e orientador de 9 entre 10 dos novos pesquisadores em histórica econômica. Já estava no tempo de ele ter reconhecimento de um público mais amplo.
Aproveite e leia o seu blog . Quando a tese estiver on-line, eu aviso.

Cuba é mais rica que o Brasil?

Um texto da internet afirma (não vou incluir o link):
"O povo daquela ilha rochosa bloqueada é mais rico que o povo do continente Brasil. Essa é uma realidade chocante e geralmente desconhecida." O autor recorre aos dados do World Bank que realmente mostram Cuba com um PIB per capita (PPP)  de US$20611 contra US$ 15893 do Brasil.
Obviamente essa estimativa está furada. É tão furada que a ONU - ao calcular o IDH- estimou outro valor que até os órgãos oficiais de Cuba acharam mais razoável:
The 2013 HDI value published in the 2014 Human Development Report was based on miscalculated GNI per capita in 2011 PPP dollars, as published in the World Bank (2014). A more realistic value, based on the model developed by HDRO and verified and accepted by Cuba’s National Statistics Office, is $7,222. The corresponding 2013 HDI value is 0.759 and the rank is 69th. A mesma fonte coloca o Brasil como tendo renda per capita de US$ 15175. Ou seja, Cuba tem a metade da renda per capita brasilei…