Pular para o conteúdo principal

O verbete "Powerpoint" do "Manual de sobrevivência na universidade"

Aí vai uma amostra do livro. As três últimas dicas são as menos conhecidas.

PowerPoint  

      Não use todos os recursos dos PowerPoint. Eles foram criados apenas para que os embromadores ocultassem com palhaçadas o vazio do que têm a dizer. Nunca use som ou os efeitos de animação divertidos.
      O PowerPoint induz que a sua apresentação seja feita em itens e subitens. Ou seja, você tem o item 2, por exemplo, "Fonte dos Dados", e, dentro dele, o item 2.1 – "A Aplicação do Questionário". Não vá além de dois níveis. Se você começar a ter, na sua apresentação, coisas como item 2.8.3.2, tenha certeza que o seu público olhará incessantemente para o relógio. O ideal mesmo seria fugir da estrutura de itens e contar uma história. Uma estrutura linear de apresentação prende mais a atenção e é mais facilmente lembrada. Mas uma estrutura em itens também não é fim do mundo. O importante é ter uma estrutura.
      Você, que não é um gênio do design, deve copiar as mulheres espertas e optar pelo pretinho básico das apresentações. Use um fundo simples, monocromático ou quase e fontes de uma ou no máximo duas cores de letras. Sempre com muito contraste. Na tela do seu computador, pode ficar bonito, mas as cores do projetor e a iluminação ambiente podem transformar a sua apresentação em um involuntário e indesejável teste de daltonismo.
      Se você quiser mesmo usar estilos mais coloridos, rogo que não use os tão batidos que acompanham o PowerPoint. Como poucos são minimamente aceitáveis, as pessoas acabam escolhendo os mesmos.
      Use a Regra 10-20-30 de Guy Kawasaki. Isto é, dez slides para serem apresentados em 20 minutos e com fonte de tamanho 30. Esse tamanho não é apenas para facilitar a vida dos míopes. Serve também para lhe forçar a sintetizar a sua mensagem. Achou o tamanho 30 muito rígido? Então, siga o algoritmo do mesmo Kawasaki. Divida por dois a idade do mais velho membro da plateia. Use a fonte desse tamanho. Use a fonte Arial ou qualquer outra sem serifa (ou seja, sem enfeites nas pontas das letras) e não tente entulhar informação.
      Pelamordedeus - não leia os slides para a plateia. Ela é alfabetizada e vai se entediar até a morte se você ficar lendo em voz alta.
      Nunca coloque aquelas tabelas entulhadas com resultados estatísticos ou testes adicionais (se quiser, coloque alguns slides extras ao fim da sua apresentação com as informações de suporte àquelas perguntas que sempre surgem. Assim, quando perguntarem: "você testou se as variáveis cointegram?" Você – Bam! – mostra o slide dos resultados dos testes).
      Se você está tendo problemas em fazer com que tudo caiba em um slide só, desista. Isso é um sinal de que você deve dividir a informação em dois slides ou que há informação que pode ser omitida.
      Cuidado com a ortografia. Será fatal para sua reputação a troca de um "s" por "z" em fonte 30, projetada numa parede. Mande a apresentação para outras pessoas verificarem.
      Tenha backups em vários formatos de arquivos e de suportes (pen drive, CD-ROM e tábuas de argila). Datashows explodem, pen drives queimam e você não pode ficar de mãos abanando. Se você for muito cauteloso, imprima umas cópias com uns seis slides por página para distribuir.
      O PowerPoint tem seus bugs: não só há incompatibilidade entre versões, como também entre apresentações gravadas em máquinas com versões do software em línguas distintas. Especialmente fórmulas e gráficos viajam mal entre versões. Como solução, sugiro que você grave a apresentação também em PDF. O Impress (do pacote do Open Office) também tem problemas de compatibilidade com o PowerPoint, mesmo quando você exporta para este formato de arquivo.
      Lembre-se: F5 para o modo de apresentação. Eu fico muito angustiado quando o apresentador briga com o mouse até encontrar a opção no menu ou o ícone no canto inferior direito.
      Se em algum momento você não tem nada na tela para mostrar, chame a atenção para você próprio. Como? Com um slide em branco. Automaticamente, as pessoas acordarão do transe que talvez estejam e ouvirão o que você tem a dizer. Caso você não tenha lembrado de inserir esse slide, basta teclar W (tem de ser o w maiúsculo) para que o slide branco apareça. Se você teclar B – de Black – a tela fica escura. Isso é útil quando você quer desligar temporariamente a luz no projetor.
      Quer dar uma de profissional? Salve o arquivo "Apresentação de Slides do PowerPoint" (PPSX) e não como "Apresentação do PowerPoint" (PPTX). Com isso, quando você abre o arquivo, o PowerPoint entra já no modo de apresentação em tela cheia.
      Eu não sou fã de pointers laser. Afinal, se o slide estiver bem feito, o ponto importante já deve estar claro. De qualquer forma, se você precisar apontar algo, basta apertar CTRL e o botão esquerdo do mouse. Uma bolinha vermelha virtual aparecerá na apresentação. Só funciona para quem tem PowerPoint para Windows a partir da versão 2010. Os demais devem passar no camelô e comprar a canetinha laser.

Comentários

Celso Costa disse…
Monasterio,

Pababéns pelo livro, grande sacada sua.
Celso,valeu!
Abraços!
Leo
Kelly Santos disse…
Ótimas dicas, professor! Vou utilizá-las em minha apresentação da monografia... rsrs

Postagens mais visitadas deste blog

Capitalismo de compadrio não é um problema cultural

Eu costumo dizer -  um pouco brincando- que "cultura não importa". No caso da discussão sobre o crony capitalism, no entanto, eu falo a sério: a chave está nos incentivos econômicos.
O historiador econômico Stephen Haber resume isso bem na introdução de um livro jóia sobre o assunto. A lógica é a seguinte: em termos ideais, quando há boas instituições, os empresários sabem que não serão expropriados pelo governo. Este taxa todo mundo, ganha o seu, mas não distribui privilégios. Logo, não há sentido em ser amigo do governo,  nem financiar campanhas.
Agora, quando as instituições são ruins e o poder discricionário do governo é grande, surge um dilema. Como o empresário vai investir se sabe que uma hora qualquer as regras podem mudar contra si? Sem investimento, não há o que tributar.  A solução mútua é transformar o governo em sócio de alguns empresários. Assim, cria-se um compromisso crível: o governo não vai passar a perna nas empresas de quem é "amigo" pois tem u…

A regra dos dois desvios

Ao que parece, a regra será a minha maior (e única) contribuição ao Saber Universal. Eu a reproduzi no verbete "Brigas, críticas e debates" do meu magnum opus "Manual de sobrevivência na universidade: da graduação ao pós-doutorado" ( Atualização 2017: O livro está fora do ar porque uma segunda edição, expandida, será publicada em breve). Aí vai:

" "Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois desvios padrãode você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico." Se você não sabe o que é desvio padrão, nenhum problema. Traduzindo: nunca brigue se o adversário for muito melhor ou pior do que você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico. Se o adversário é muito mais inteligente ou conhece muito melhor o assunto, ouça-o com atenção, faça as perguntas relevantes e aprenda. Não é vergonha. Agora, se o sujeito é burro ou ignorante no assunto, o melhor é desconsiderar. Afinal, qual é a…

Colistete e o atraso educacional brasileiro

Ficou ótima a matéria da Revista Piauí com o perfil do Renato Colistete e sobre sua tese de livre-docência (pdf).
Ele é um pesquisador sensacional, gente boa e orientador de 9 entre 10 dos novos pesquisadores em histórica econômica. Já estava no tempo de ele ter reconhecimento de um público mais amplo.
Aproveite e leia o seu blog . Quando a tese estiver on-line, eu aviso.