Pular para o conteúdo principal

Diversos: só história econômica

Comentários

Leo Monastério, Boa noite!!!

Para você a cultura de um país nunca importa?

Excelentes artigos, parabéns!!
Abs
Anônimo disse…
Leonardo, o que você acha, sinceramente, do Acemoglu? Não acha que ele força a barra, às vezes demasiadamente, com os instrumentos que ele usa? Instrumentos exóticos são mesmo melhores que um pouco de endogeneidade?

Augusto
Clovis,

Eu gosto de partir do princípio que "cultura não importa" pq acho que essas explicações culturais são sempre as mais fáceis. Um monte de comportamentos explicados por cultura se mostraram muito mais determinados por motivações economicas em sentido restrito do que por dimensões realmente culturais. Então, acho que partir da negação do papel da cultura é o melhor jeito de realmente entender os fenômenos. Se- depois de muito pesquisar - realmente não sobrar outra explicação, aí eu topo as justificativas culturais.

Augusto,
Antes de tudo, o Acemoglu é brilhante mesmo e eu daria um (talvez dois) dedos para ter um décimo da capacidade dele e ele foi responsável por tornar a hist econ uma área quente. Dito isso, eu concordo que ele pesa a mão para vender os papers (vc conhece o texto do http://www.anderson.ucla.edu/faculty/jason.snyder/albouy.pdf , não?) e tem muito coisa bem esquisita. No fim das coisas, muita coisa pós "revolução da credibilidade" só empurrou as malandragens para debaixo do tapete.
Abraços!

Leo, parabéns pelas publicações.
Estou procurando textos de história econômica que procuram explicar os motivos do pioneirismo europeu na colonização, você tem conhecimento de algum?

Mais uma coisa, o que acha do trabalho do David Landes? É interessante ou está ultrapassado?

Desculpe pelo incômodo, boa noite e parabéns pelas postagens instigantes!
Abs,
João Carlos
Leo, parabéns pelas publicações.
Estou procurando textos de história econômica que procuram explicar os motivos do pioneirismo europeu na colonização, você tem conhecimento de algum?

Mais uma coisa, o que acha do trabalho do David Landes? É interessante ou está ultrapassado?

Desculpe pelo incômodo, boa noite e parabéns pelas postagens instigantes!
Abs,
João Carlos
Olá João Carlos,

Valeu! Gosto do Landes, mas não é minha praia (cultura demais! :-))

Eu não sei muito sobre pioneirismo europeu, mas sugiro Power and Plenty do Findlay e O'Rourke. É super completo e tem tudo quanto é referência. http://press.princeton.edu/titles/8493.html
abraços,


Bernardo Huanca disse…
João Carlos Soarez, qual é a sua definição de Colônia? Se fores ver os Árabes edificaram um império "colonial" bem antes dos europeus, abrangendo o norte da África e sul da Europa; Os Romanos "colonizaram" meia Europa; Fenicinos foram colonizadores do mediterrâneo e até "pioneiros" da uma "expansão ultramarina", se quiser. O fato que distinguiu a Europa foi desenvolver a melhor tecnologia de guerra, fruto da belicosidade entre Estados nacionais, de uma geografia favorável à formação de enclaves étnicos, forma peninsular, etc... Tudo já bastante batido por autores como Jared Diamond. Não há mais o que inventar sobre o assunto.
João Carlos,

Lembrei de mais duas referências:
Fui da banca desse trabalho ótimo, orientado pelo Bernardo Mueller:
http://repositorio.unb.br/bitstream/10482/18635/1/2015_JoaoGabrielAyelloLeite.pdf

Lá vc vai encontrar muita referencia boa, como ex:
SUBRAHMANYAM, Sanjay. The Portuguese Empire in Asia 1500-1700. Londres: Pearson Education, 1993.

E tenho visto aqui e acolá uma nova literatura sobre as colonias na ásia bem bacana (Um aluno de doutorado russo aqui da UCLA está tb estudando isso).
Abraços,
Leo.



Muito obrigado pelas referências, Leo Monasterio!!! Fiquei muito feliz, você é espetacular!!!
Olá Leonardo Monasterio! É sempre um prazer ler seu blog, estava observando alguns comentários desse e de outros posts e fiquei com uma dúvida: Qual é a diferença de visão entre os economistas "culturalistas" e os "institucionalistas"(simplificando), uma vez nos livros de Landes ela afirma que a cultura foi importante por criar instituições favoráveis ao crescimento? Qual é a diferença de visão entre eles?? Os que não são culturalistas acham que a cultura não cria as referidas instituições? se for isso o que criaria?

Desculpe te incomodar, mas se couber no texto o senhor poderia dizer o que acha do J.Diamond? Ele não é muito determinista no aspecto geográfico?

Muito obrigado e boa noite!!

Abraços, Nathália Pinheiro Leão
Unknown disse…
Caro Leonardo. Li o famoso paper do Acemoglu depois de ver inúmeras referências a ele em papers de inúmeras outras áreas. Pensei, poxa deve ser mesmo muito bom, o cara parece ser uma unanimidade. Então fui ler o dito-cujo e confesso que fiquei chocado. Como uma revista como a AER poderia publicar um negócio daqueles? Sei quase nada de econometria, mas do pouco que sei, sei que só se pode explicar variação da variável dependente com variação da variável explicativa, sem variação não se explica nada. Aí vi que ele estava extrapolando taxas de mortalidade de um país para países vizinhos, sem nenhuma cerimônia, além de outras coisas estranhas como misturar dados de soldados com bispos!. Dei uma googlada e achei este paper que você menciona, que deixa clara a picaretagem. Aí fui atrás de outros papers do Acemoglu para ver se o padrão se repetia. Fiquei novamente chocado. Deve ser o pesquisador mais produtivo da história da economia, publica um paper por semana. Dei uma olhada em alguns, achei idéias bem interessantes, ele realmente é original e só por isso já mereceria a fama que tem. Mas novamente encontrei variáveis instrumentais muito esquisitas. Nessas horas me questiono em relação à seriedade do peer review. Os pareceristas pedem um milhão de testes, robustness checks etc, mas não fazem perguntam elementares sobre a montagem do banco de dados?

Um abraço,

Augusto.
Olá Nathalia,
Sinceramente, eu tb ñ tenho isso muito claro. O conceito de instituição reunindo: crenças, normas e leis é meio amplo demais; engloba coisas muito distintas entre si. Eu entendo o papel dessas abordagens nas grandes teorias, para explicar coisas imensas (como a Rev Industrial). Contudo, hoje, eu acho mais legal os trabalhos específicos, que tratam de questões "menores" de um jeito empiricamente mais robusto. Um exemplo:
http://www.mitpressjournals.org/doi/abs/10.1162/REST_a_00368#.V4k9O7jyvIU
abraços e obrigado pela palavras!

Olá Augusto,

Pois é, o cara é brilhante, mas dá uma marretadas empíricas. E de fato, eu acho improvável a AER mandem os textos para alguém preocupado com a qualidade dados. Quando o insight é bom, deixam passar dados questionáveis. Eu acho que isso é um problema geral. (Mais grave eu acho quando o cara deliberadamente camufla furos possíveis da estratégia de identificação. Essas são difíceis de apontar).
Abraços,
Leo.

Postagens mais visitadas deste blog

Capitalismo de compadrio não é um problema cultural

Eu costumo dizer -  um pouco brincando- que "cultura não importa". No caso da discussão sobre o crony capitalism, no entanto, eu falo a sério: a chave está nos incentivos econômicos.
O historiador econômico Stephen Haber resume isso bem na introdução de um livro jóia sobre o assunto. A lógica é a seguinte: em termos ideais, quando há boas instituições, os empresários sabem que não serão expropriados pelo governo. Este taxa todo mundo, ganha o seu, mas não distribui privilégios. Logo, não há sentido em ser amigo do governo,  nem financiar campanhas.
Agora, quando as instituições são ruins e o poder discricionário do governo é grande, surge um dilema. Como o empresário vai investir se sabe que uma hora qualquer as regras podem mudar contra si? Sem investimento, não há o que tributar.  A solução mútua é transformar o governo em sócio de alguns empresários. Assim, cria-se um compromisso crível: o governo não vai passar a perna nas empresas de quem é "amigo" pois tem u…

A regra dos dois desvios

Ao que parece, a regra será a minha maior (e única) contribuição ao Saber Universal. Eu a reproduzi no verbete "Brigas, críticas e debates" do meu magnum opus "Manual de sobrevivência na universidade: da graduação ao pós-doutorado" ( Atualização 2017: O livro está fora do ar porque uma segunda edição, expandida, será publicada em breve). Aí vai:

" "Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois desvios padrãode você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico." Se você não sabe o que é desvio padrão, nenhum problema. Traduzindo: nunca brigue se o adversário for muito melhor ou pior do que você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico. Se o adversário é muito mais inteligente ou conhece muito melhor o assunto, ouça-o com atenção, faça as perguntas relevantes e aprenda. Não é vergonha. Agora, se o sujeito é burro ou ignorante no assunto, o melhor é desconsiderar. Afinal, qual é a…

Colistete e o atraso educacional brasileiro

Ficou ótima a matéria da Revista Piauí com o perfil do Renato Colistete e sobre sua tese de livre-docência (pdf).
Ele é um pesquisador sensacional, gente boa e orientador de 9 entre 10 dos novos pesquisadores em histórica econômica. Já estava no tempo de ele ter reconhecimento de um público mais amplo.
Aproveite e leia o seu blog . Quando a tese estiver on-line, eu aviso.