Pular para o conteúdo principal

Manual / Brigas, críticas e debates

Brigas, críticas e debates


Bem, aí vai a minha regra:
Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois desvios padrão de você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico.

Se você não sabe o que é desvio padrão, nenhum problema. Traduzindo: nunca brigue se o adversário for muito melhor ou pior do que você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico.
Se o adversário é muito mais inteligente ou conhece muito melhor o assunto, ouça-o com atenção, faça as perguntas relevantes e aprenda. Não é vergonha. Agora, se o sujeito é burro ou ignorante no assunto, o melhor é desconsiderar. Afinal, qual é a graça de ganhar uma discussão com um cara desses? Não há jeito de se sair bem. Se você vencer a briga, você terá apenas vencido a briga com um idiota. O que, cá entre nós, não é lá grande mérito. Além disso, os observadores sensatos vão lhe julgar como covarde. Agora, se você tropeçar e perder a discussão, você terá perdido para um idiota. O que, também, não vai ficar bem para você. O melhor mesmo é ignorar as críticas cretinas. Ignorar é ignorar mesmo. Nada de ironias. Só um "É, pode ser", já basta.
No geral, lembre-se: a vida é muito, muito curta mesmo para você perder tempo com besteiras. Ao invés de desperdiçá-lo em brigas bobas, leia um livro, passeie ou sei lá... corte as unhas do pé. Certamente é um gasto melhor do seu tempo do que ficar batendo boca ao vivo ou na internet.
Brigue a boa briga pelo motivo certo e com quem merece. Se você tem razão e o adversário merece a sua energia, não hesite em defender a sua posição com neurônios e saliva. No mais, deixe para lá.
As mães ensinam que é feio criticar os outros. Por simetria, achamos que receber críticas também é ruim. Críticas são boas. São boas para quem as recebe. O espírito do argumento do John Stuart Mill para a defesa da liberdade de expressão também é válido no meio acadêmico. Se quem critica estiver certo, tenho a oportunidade de corrigir os erros. Se quem critica estiver errado, sou obrigado a organizar o meu argumento para melhor rebatê-lo. De qualquer forma, só saio ganhando.
Trabalho bom é criticado. Trabalho ruim é ignorado. Nada mais triste do que apresentar algo e provocar apenas o tédio e o silêncio da plateia. Não ter críticas significa que tudo está tão errado que nem vale a pena sugerir ou questionar. Ser criticado é bom, porque significa que o seu trabalho chamou a atenção de alguém. Ouça, pense e incorpore se considerar necessário.

Crítica externa

Imagine que você é um biólogo e tem de explicar a existência do ornitorrinco. Um bicho com bico de pato, bota ovos, mas amamenta... é mesmo uma bizarrice. Aí você baseia a sua argumentação nos mecanismos darwinistas de seleção natural e no meio ambiente, que permitiram que o bicho evoluísse na Oceania. No final das contas, o público entende que o ornitorrinco até que não é um absurdo. Então, um sujeito lhe interrompe e diz: "sua apresentação está toda errada. Todos nós sabemos que o ornitorrinco é a prova de que deus tem senso de humor".
Contra uma crítica externa como essa, a sua resposta adequada é: próxima pergunta. As pessoas envolvidas em qualquer brincadeira compartilham pressupostos, raramente explicitados. A pesquisa dentro de uma linha de pesquisa se dá sem que esses pressupostos, as regras do jogo, sejam discutidos a cada trabalho. No caso do ornitorrinco, a regra implícita é: "não use a hipótese de que deus existe. Ser criticado por não segui-la é mais ou menos como dizer para um maratonista "Por que você não usou uma bicicleta?".
Meus exemplos são exagerados, mas eu preciso deixar claro o porquê das críticas externas serem tão pouco relevantes. Se você estiver apresentando um trabalho com base marxista, de que adianta alguém dizer que não concorda com a ideia de luta de classes? Se você é analista freudiano, imagine o absurdo de alguém questionar a existência do superego. Infelizmente, ainda se ouve muita crítica externa nos debates. Quem a faz, não entendeu que a conversa acadêmica fica travada se os pressupostos forem discutidos a cada instante. Se não concordam com as hipóteses básicas, busquem a sua própria turma ou criem a sua própria brincadeira, com suas próprias regras. Boa sorte, mas não encham o saco.

Crítica "Por que você não fez o trabalho que eu queria?"

Nesse caso, apesar de muitas vezes ser uma crítica interna, quem a faz quer que você responda a uma pergunta de pesquisa diferente daquela que você respondeu (ou tentou responder). Ou seja, quem a faz propõe que você faça outro trabalho. Nada contra alguém sugerir os próximos passos da pesquisa, minha bronca reside no tom de crítica. A resposta padrão é: "Obrigado pela sugestão" e bola para frente.

Manual de sobrevivência na universidade: da graduação ao pós-doutorado

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Capitalismo de compadrio não é um problema cultural

Eu costumo dizer -  um pouco brincando- que "cultura não importa". No caso da discussão sobre o crony capitalism, no entanto, eu falo a sério: a chave está nos incentivos econômicos.
O historiador econômico Stephen Haber resume isso bem na introdução de um livro jóia sobre o assunto. A lógica é a seguinte: em termos ideais, quando há boas instituições, os empresários sabem que não serão expropriados pelo governo. Este taxa todo mundo, ganha o seu, mas não distribui privilégios. Logo, não há sentido em ser amigo do governo,  nem financiar campanhas.
Agora, quando as instituições são ruins e o poder discricionário do governo é grande, surge um dilema. Como o empresário vai investir se sabe que uma hora qualquer as regras podem mudar contra si? Sem investimento, não há o que tributar.  A solução mútua é transformar o governo em sócio de alguns empresários. Assim, cria-se um compromisso crível: o governo não vai passar a perna nas empresas de quem é "amigo" pois tem u…

A regra dos dois desvios

Ao que parece, a regra será a minha maior (e única) contribuição ao Saber Universal. Eu a reproduzi no verbete "Brigas, críticas e debates" do meu magnum opus "Manual de sobrevivência na universidade: da graduação ao pós-doutorado" ( Atualização 2017: O livro está fora do ar porque uma segunda edição, expandida, será publicada em breve). Aí vai:

" "Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois desvios padrãode você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico." Se você não sabe o que é desvio padrão, nenhum problema. Traduzindo: nunca brigue se o adversário for muito melhor ou pior do que você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico. Se o adversário é muito mais inteligente ou conhece muito melhor o assunto, ouça-o com atenção, faça as perguntas relevantes e aprenda. Não é vergonha. Agora, se o sujeito é burro ou ignorante no assunto, o melhor é desconsiderar. Afinal, qual é a…

Colistete e o atraso educacional brasileiro

Ficou ótima a matéria da Revista Piauí com o perfil do Renato Colistete e sobre sua tese de livre-docência (pdf).
Ele é um pesquisador sensacional, gente boa e orientador de 9 entre 10 dos novos pesquisadores em histórica econômica. Já estava no tempo de ele ter reconhecimento de um público mais amplo.
Aproveite e leia o seu blog . Quando a tese estiver on-line, eu aviso.