Pular para o conteúdo principal

Por quê - divulgação + uma crítica séria e outra não.

O canal do Youtube Por quê: economês em bom português, tocado pelo Carlos Eduardo Gonçalves, é o melhor canal de divulgação de Economia nacional e deveria ser mais assistido. O site do projeto está aqui.
  • Crítica séria (mas nada grave!) : no vídeo sobre as Escolas Econômicas, o Carlos meio que associa a história à heterodoxia. Ele sugere uma oposição entre quem usa história e quem usa métodos modernos para analisar as questões econômicas. Na verdade, não existe essa dicotomia. Justamente, o que está em voga é olhar para a história econômica e aplicar tais métodos modernos para entender temas relevantes. É verdade que no Brasil tem mais historiador econômico heterodoxo, mas isso não acontece no resto no mundo.  Tenho certeza que o Carlos sabe disso, mas o novato em Economia pode ficar com a impressão equivocada ao assistir ao video.
  • Crítica não séria: um problema menor com todos os canais de divulgação de Economia no mundo é que os apresentadores "têm o rosto perfeito para trabalhar no rádio". (Eu - quem me conhece sabe- também seria vítima dessa crítica se tivesse um canal!).  Como as chances de conseguir a Winnie Cooper como professora são remotas,  melhor seria se  usassem animações simples como o CGP Grey, mas isso - imagino - deve ser muito caro e trabalhoso.
No mais, eu parabenizo e desejo muito sucesso para o projeto!

Comentários

Monasterio, concordo 100% c voce. Se passei ideia errada, foi nao intencional
Claudio disse…
No dia em que eu mudo minha página na parte de pesquisas para destacar os poucos trabalhos que fiz até o momento na área de HEB (nada perto ou comparável ao que o Leo faz), o Carlos me dá tiro de fogo amigo. He, he, he.

Leo, olha: http://wp.ufpel.edu.br/cdshikida/ (vai na parte de pesquisa). Diz o que achou.

Não só isso, hoje eu estive no gás recuperando um texto da tese - bem história econômica da selva chamada Brasil - todo animadão, maior alegria...

O consolo é que a gente sabe é que o Carlos é do bem.
Olá Carlos,
Valeu! Entendi perfeitamente. Mais uma vez: parabéns pelo projeto e pelos vídeos!
abraços,
Leo.

Shikida,
A página está bonita. Já vc está tão feio nos teus vídeos quanto o Carlos! :-)
abraços,
Leo.


Postagens mais visitadas deste blog

Capitalismo de compadrio não é um problema cultural

Eu costumo dizer -  um pouco brincando- que "cultura não importa". No caso da discussão sobre o crony capitalism, no entanto, eu falo a sério: a chave está nos incentivos econômicos.
O historiador econômico Stephen Haber resume isso bem na introdução de um livro jóia sobre o assunto. A lógica é a seguinte: em termos ideais, quando há boas instituições, os empresários sabem que não serão expropriados pelo governo. Este taxa todo mundo, ganha o seu, mas não distribui privilégios. Logo, não há sentido em ser amigo do governo,  nem financiar campanhas.
Agora, quando as instituições são ruins e o poder discricionário do governo é grande, surge um dilema. Como o empresário vai investir se sabe que uma hora qualquer as regras podem mudar contra si? Sem investimento, não há o que tributar.  A solução mútua é transformar o governo em sócio de alguns empresários. Assim, cria-se um compromisso crível: o governo não vai passar a perna nas empresas de quem é "amigo" pois tem u…

A regra dos dois desvios

Ao que parece, a regra será a minha maior (e única) contribuição ao Saber Universal. Eu a reproduzi no verbete "Brigas, críticas e debates" do meu magnum opus "Manual de sobrevivência na universidade: da graduação ao pós-doutorado" ( Atualização 2017: O livro está fora do ar porque uma segunda edição, expandida, será publicada em breve). Aí vai:

" "Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois desvios padrãode você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico." Se você não sabe o que é desvio padrão, nenhum problema. Traduzindo: nunca brigue se o adversário for muito melhor ou pior do que você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico. Se o adversário é muito mais inteligente ou conhece muito melhor o assunto, ouça-o com atenção, faça as perguntas relevantes e aprenda. Não é vergonha. Agora, se o sujeito é burro ou ignorante no assunto, o melhor é desconsiderar. Afinal, qual é a…

Colistete e o atraso educacional brasileiro

Ficou ótima a matéria da Revista Piauí com o perfil do Renato Colistete e sobre sua tese de livre-docência (pdf).
Ele é um pesquisador sensacional, gente boa e orientador de 9 entre 10 dos novos pesquisadores em histórica econômica. Já estava no tempo de ele ter reconhecimento de um público mais amplo.
Aproveite e leia o seu blog . Quando a tese estiver on-line, eu aviso.