Pular para o conteúdo principal

Manual / ABNT

ABNT


A imensa maioria dos seus trabalhos, durante o seu período na universidade, será no formato da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas). Alguns dos padrões exigidos fazem sentido, outros apenas revelam o mau gosto de quem os definiu. As normas de formatação de páginas e parágrafos não são difíceis de seguir. As mais complicadas e exigentes são quanto às Referências.
Se você não tem distúrbio obsessivo-compulsivo, as normas da ABNT parecerão criadas por alguém que precisa de socorro psiquiátrico. Só alguém muito perturbado seria capaz de definir medidas para as margens, citações e todos os formatos para que os textos acadêmicos sejam igualmente feios. Mas as normas têm sua razão de existir. As normas da ABNT impedem que outros malucos inventem seus próprios jeitos de apresentarem seus textos. Se fossem deixados soltos, imaginem os absurdos que seriam cometidos? Assim, para manter ao menos a consistência na apresentação, segue-se o padrão da ABNT.
Eu, caro leitor, entendo seu sofrimento quando, às vésperas da entrega do trabalho, você tem de perder horas formatando tudo. Eu já passei por isso. Como não há escolha, o melhor é aceitar as normas da ABNT como um dos fardos da vida.
Neste livro, você não encontra as normas da ABNT. Muitas árvores já foram sacrificadas e qualquer biblioteca tem dúzias de livros que reproduzem e interpretam as normas. A propósito, não saia atrás do texto original das normas da ABNT, elas são difíceis de serem lidas e aplicadas. Seria só perda de tempo. Nem busque no site ABNT, as normas referentes a trabalhos científicos. Eles cobram pelas normas e existem dezenas de livros que mastigam as normas para seres humanos aproximadamente normais.
Pegue emprestado na biblioteca de sua faculdade um livro recente de normas. As bibliotecárias poderão lhe ajudar nisso. Tente pegar as edições mais recentes porque, de tempos em tempos, a ABNT atualiza (outro nome para: "faz modificações sem razão aparente") as normas.
Quer você use o MS Word ou o OpenOffice, eu sugiro que você gaste umas duas horas para aprender a usar as folhas de estilo. Com isso, ao invés de você precisar formatar cada trecho por vez, você cria um estilo com fonte, espaçamento e tudo mais e só aplica o estilo nas partes selecionadas. Se você quiser reformatar o texto, basta alterar os estilos e todas as partes marcadas com aquele estilo serão alteradas. Nada de precisar acertar cada trecho um por um. Além disso, quando você submeter um trabalho para publicação, será mais fácil acertar o formato adequado exigido pela revista.
Na escrita do texto, não perca tempo buscando fontes inusitadas. A ABNT não define a fonte a ser utilizada, mas seja careta: use a fonte Times New Roman ou Arial, tamanho 12.
Para a formatação da bibliografia, eu recomendo usar o Zotero. No software existem, já preparados, os formatos de saída ABNT.

Manual de sobrevivência na universidade: da graduação ao pós-doutorado


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Capitalismo de compadrio não é um problema cultural

Eu costumo dizer -  um pouco brincando- que "cultura não importa". No caso da discussão sobre o crony capitalism, no entanto, eu falo a sério: a chave está nos incentivos econômicos.
O historiador econômico Stephen Haber resume isso bem na introdução de um livro jóia sobre o assunto. A lógica é a seguinte: em termos ideais, quando há boas instituições, os empresários sabem que não serão expropriados pelo governo. Este taxa todo mundo, ganha o seu, mas não distribui privilégios. Logo, não há sentido em ser amigo do governo,  nem financiar campanhas.
Agora, quando as instituições são ruins e o poder discricionário do governo é grande, surge um dilema. Como o empresário vai investir se sabe que uma hora qualquer as regras podem mudar contra si? Sem investimento, não há o que tributar.  A solução mútua é transformar o governo em sócio de alguns empresários. Assim, cria-se um compromisso crível: o governo não vai passar a perna nas empresas de quem é "amigo" pois tem u…

A regra dos dois desvios

Ao que parece, a regra será a minha maior (e única) contribuição ao Saber Universal. Eu a reproduzi no verbete "Brigas, críticas e debates" do meu magnum opus "Manual de sobrevivência na universidade: da graduação ao pós-doutorado" ( Atualização 2017: O livro está fora do ar porque uma segunda edição, expandida, será publicada em breve). Aí vai:

" "Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois desvios padrãode você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico." Se você não sabe o que é desvio padrão, nenhum problema. Traduzindo: nunca brigue se o adversário for muito melhor ou pior do que você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico. Se o adversário é muito mais inteligente ou conhece muito melhor o assunto, ouça-o com atenção, faça as perguntas relevantes e aprenda. Não é vergonha. Agora, se o sujeito é burro ou ignorante no assunto, o melhor é desconsiderar. Afinal, qual é a…

Colistete e o atraso educacional brasileiro

Ficou ótima a matéria da Revista Piauí com o perfil do Renato Colistete e sobre sua tese de livre-docência (pdf).
Ele é um pesquisador sensacional, gente boa e orientador de 9 entre 10 dos novos pesquisadores em histórica econômica. Já estava no tempo de ele ter reconhecimento de um público mais amplo.
Aproveite e leia o seu blog . Quando a tese estiver on-line, eu aviso.